Programação da 2a Flapoa – 2011

A programação da 2a. Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre está atualizada!

Nesta ano, durante os dias 11 e 14 de novembro, além de Exposição de Livros e Materiais Anarquistas dos mais diversos tipos , teremos Lançamentos de Publicações e de uma Editora, diversos Bate-papos, Intervenções teatrais, Oficinas e Música na Festa de Abertura e num festival noturno paralelo.

A 2a Feira Anarquista de Porto Alegre dividirá suas atividades em dois locais.

Exposição e atividades na Cidade Baixa. Atividades e almoço no bairro Azenha.

Endereços (clique nos links para ver mapas)

FAG: Sede da Federação Anarquista Gaúcha
Travessa Venezianos, 30 – Cidade Baixa

Moinho Negro, Espaço Cultural Libertário:
Rua Marcílio Dias, 1463, bairro Azenha

Travessa Venezianos
na Cidade Baixa

EntreBar: onde vai rolar o Festival Dissidência Muzikfesto
Rua José do Patrocínio,340, Cidade Baixa

Progamação detalhada da 2a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

Clique na imagem acima para ver a tabela da programação.

Clique aqui para ver endereços dos espaços onde as atividades vão acontecer.

Ah: e também dá pra baixar tudo em arquivo PDF clicando aqui.

.

Exposição e venda de livros na Travessa dos Venezianos

De 11 a 14, das 9h às 18h

Exposição e venda de livros e materiais anarquistas dos mais diversos tipos.

Festa de abertura

Dia 11, 20h, no Espaço Cultural Libertário Moinho Negro

Música!

  • Minininha Pirracenta
    Folk punk violão e vozes sem amplificadores. As pessoas recebem um “Cante Comigo” com letras e textos para acompanharem de forma divertida enquanto dançam. Músicas próprias copyleft e lindos covers de Ciclovida, Animinimalista, Producto Interior Bruto, Ni Dieu Ni Maitre, Libertinagem, Bandera Preta e outras. Tem valsa e samba pirata também!

  • Musicalização de textos “ILEGALES”
    Por Animinimaldita
    Ai ferri corti, Jesus Sepúlveda, Tiqqun, Crimethink, Bakunin, Jean Roullian, Ravachol, Di Giovanni, Peter Young, Biofilo Panclasta, Celulas del fuego e muitos outros coletivos e individualidades voltaram sua praxis em textos/zines/comunicados belíssimos que ANIMINIMALDITA tentará reproduzir com violão e voz.

Apresentação de novas publicações e editora

  • A1. A Chamada
    Dia 11, 16h, Moinho Negro 2
    Por Mas que palabras Ediciones e Ellen
    Em sua crítica à política clássica, ao reformismo, às metrópolis e ao liberalismo existencial, Tiqqun faz uma chamada a nos posisionarmos nos conflitos que ainda hoje se desenvolvem em nosso cotidiano. Nosso posicionamento deveria gerar alianças materiais e afetivas, organizando-nos, comunizando, em uma tentativa de que as coisas não vontem à “normalidade”.
    A proposta é debater sobre as críticas ao reformismo e esquerdismo e analizar as propostas para ver em que medida são aplicaáveis a nosso contexto.

    • Baixe aqui o texto sugerido para início de debate desta atividade.
  • A2. Apresentação do editorial Mas que Palabras
    Dia 13, 14h, FAG
    Por Mas Que Palabras
  • A3. Documento Malvina Tavares e Wellinton Galarza
    Dia 14, 14h [aguardando confirmação do novo horário], FAG
    Por Federación Anarquista Uruguaya e Federação Anarquista Gaúcha
    Apresentação de documento teórico elaborado por estas organizações afim de produzir um conjunto de conceitos e olhares para uma análise social de matriz libertária.
  • A4. Apresentação do Livro “Culturas de Resistência – Anarquistas e Anticlericais em Santa Catarina”
    Dia 12, 14h, FAG
    por Cleber Rudy
    Autor apresenta livro lançado em 2010.

Bate-Papos

  • B1. A luta libertária na Europa no contexto atual
    Dia 14, 14h, Moinho Negro 1
    Por Jose Mari (ex-secretario general de CGT – España)
    Um olhar de quem está vivendo estes acontecimentos mais recentes na Europa e como tem se dado a participação de anarquistas nestes eventos de luta acirrada.
    central dessa atividade que se divide em duas partes
  • B2. Análise conjuntural de 9 anos do PT no Governo, rearticulação das organizações de direita e estratégias de luta libertária neste contexto
    Dia 13, 9h, Moinho Negro 1
    Por Núcleo Anarquista de Curitiba
    A proposta é apresentar a análise feita pelo núcleo da proposta de governo petista; a reação da direita e extrema direita crescente no país; debate sobre estratégias de luta entre libertários para os próximos anos.
  • B4. Desconstrução Sexual e Afetiva
    Dia 13, 16h, Moinho Negro 1
    Por Coletivo Bonnot
    Nossa vida pode ser encarada como uma estrada, e em uma sociedade heteropatriarcal, sabemos que ao nascermos “nossos caminhos” já foram traçados por nós: serás homem ou mulher, hetero ou gay (se tiver coragem), passivx ou ativx, amigx ou namoradx etc. O objetivo dessa oficina e descontruir esses caminhos: temos a partir de nossos desejos e vivências construirmos e nossos caminhos, e se necessários seremos des-viados para fora dessa trilha normatizante. A ideia é criar um ambiente seguro – dialogando com os debates sobre consentimento – onde se possa trocar idéias sobre essa (des)construção. Além disso, propomos uma pequena dinâmica para darmos início nessa descontrução, aqui e agora.
  • B6. Espaços libertários
    Dia 13, 14h, Moinho Negro 1
    Por Casa da Lagartixa Preta/Ativismo ABC
    Batepapo sobre gestão de espaços libertários (seja ocupado ou não). Nossa história deve ser contada por nós mesmas, e por isso esta roda de conversa está marcada. Para fazermos um balanço de como é organizar um espaço aberto, as relações internas, o que significa para cada indivíduo envolvido na gestão de um espaço fazer esses lugares acontecerem; diferenças e semelhanças nas formas organizativas. Comentar sobre esses ciclos de zonas autônomas temporárias e permanentes, que como todo ciclo, tem um começo (se reproduz), meio e fim.

  • B7. Estratégias anárquicas de transformação, pressupostos e parâmetros de efetividade
    Dia 13, 9h, Moinho Negro 2
    Por Alt
    Existem formas de avaliar a efetividade de manifestações, sindicatos, comunas autônomas, black blocks, editoras libertárias, happenings, páginas na internet, periódicos ou feiras do livro? Como saber se o tempo e a energia que dedicamos a uma determinada forma de ação nos aproxima efetivamente dos nossos fins? Compartilhando dúvidas em torno das estratégias escolhidas por diferentes correntes anarquistas na busca pela transformação.
  • B8. Fascismo e o antifascismo na atualidade
    Dia 14, 14h, Moinho Negro 2
    por Coletivo Anarcopunk Diversidade
    Uma discussão sobre o crescimento dos movimentos de extrema direita na atualidade, e sobre as articulações das lutas anti-fascistas que andam acontecendo em diversas partes do país.
  • B9. História do Movimento Squatter no Brasil
    Dia 13, 16h, FAG
    Por China
  • B10. “Leituras das possibilidades de um ativismo antiproibicionista em torno das políticas de drogas no brasil e no mundo”
    Dia 12, 14h, Moinho Negro 1
    Por EPI
  • B12. O anarquismo e as prisões hoje: 3 casos para debater e se pensar
    Dia 14, 9h, Moinho Negro 1
    Por Robin Hood
    O ato, ao mesmo tempo, concreto, simbólico e inaugural da revolução francesa foi a derrubada da grande prisão: a Bastilha. Símbolo e instrumento do poder real, do castigo. Ali, naquele momento, soa uma voz poderosa que apenas xs anarquistas, historicamente, levam adiante, nenhum outro movimento e teorias sociais, a não ser o anarquismo, encampou essa luta: pelo fim das prisões. Muitxs anarquistas passa(ra)m e morre(ra)m nas prisões. Hoje, essa discussão parece estar RELATIVAMENTE esvaziada no meio anarquista atual… Para tentar a reascender um pouco do debate trago três casos para serem discutidos e seus desdobramentos: 1) o julgamento dos carecas que atacaram dois punks jogando-os do trem, em São Paulo, e seu julgamento; 2) veganismo, polícia e prisão; 3) sobre o abolicionismo penal: um recuo?
  • B13. O punk e a contribuição para o anarquismo
    Dia 13, 16h, Moinho Negro 2
    Por Moinho Negro e Ação Antissexista
  • B14. Propostas táticas e experiências práticas: Protopia como esporte de combate
    Dia 14, 16h, Moinho Negro 2
    Por Uns de Nós
    Um pouco das experiências práticas (relações, construções, trocas, horizontes) tocadas pela rede de colaboradorxs envolvida nos projetos protópicos. Protopia, enquanto um conjunto de propostas táticas → ruptura com a mentalidade urbanocêntrica euroreferenciada limitada à divisão capitalista urbano/rural; estabelecimento de modos de ser anárquicos baseados em relações simétricas; ampliação das potencialidades pessoais e coletivas através da mutualidade; constituição da infraestrutura (através de biotectura, permacultura e macroreciclagem) voltada para a ampliação da autonomia (alimentar, energética e habitacional); constituição de territórios livres (zonas autônomas), ação direta e propaganda pela ação (aumento e fortalecimento de circuitos de inspiração).

Teatro e intervenções

  • T1. As Três Pedras
    Por FAG
    Intervenção teatral a partir de um poema de Ricardo Flores Magón.

Para organização:
Duração de aprox. 15 min

  • T2. Teatro
    Dia 12, 16h, FAG
    Por Grupo Tia e Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela

Para organização: Grupo tia é de Canoas, e perguntaram se é possível a gente conseguir um transporte para eles trazerem os materiais para o teatro.

  • T3. Intervenção cênica da Cambada de Teatro em Ação Direta Levanta Favela
    dia 14, 20h, FAG

Oficinas

  • O1. Autonomia do Corpo: Pompoarismo + Dança
    Dia 14, 9h, Moinho Negro 2
    Por Iza e Si
  • O3. Saúde Feminina
    Dia 12, 9h, Moinho Negro 1
    Por Ellen
    Prática de costura de absorventes de tecido, conversa sobre alternativas à medicina industrializada, autogestão da saúde feminina, troca de experiência e materiais à respeito (fanzines).
  • O4. Yomango: Teoria e Prática
    Dia 12, 16h, Moinho Negro 1
    Por Coletivo Bonnot
    Possibilidades e limites do Yomango, enquanto estratégia de sobrevivência na civilização, e de combate à essa ordem. Começamos com uma discussão, a partir de vivências e diálogos, sobre o Yomango, tratado em termos sócio-políticos. Terminamos com uma Dinâmica seguida de troca de idéias, onde compartilharemos algumas táticas: “Acho massa, mas tenho medo.”, “Ok ok, quero mangar, como faço?”, “Me pegaram, e agora?”.

Cartazes para divulgação

Cartaz que foi impresso em serigrafia e para divulgar na internet
Cartaz preto e branco para imprimir

Clique aqui para baixar arquivo PDF

.

Chamada para a 2ª Feira do Livro Anarquista de PoA

A construção da feira segue à todo vapor!  Até o dia 10 de outubro, próxima segunda, coletivos e individuos  interessadxs em propor oficinas e bate-papos podem mandar suas propostas para nosso e-mail, em algumas semanas estaremos divulgando a programação das oficinas e bate-papos e, para auxiliar na divulgação do evento, estamos postando aqui um texto sobre essa segunda edição da feira. Nos ajude a espalhar essa chamada postando-a em blogs, sites e repassando-a para seus contatos. Para alcançar mais interessadxs neste, e noutros continentes, o chamado foi traduzido para castellano e inglês.

==>Português

2ª FEIRA DO LIVRO ANARQUISTA DE PORTO ALEGRE

Nos dias 11, 12, 13 e 14 de Novembro, acontecerá em Porto Alegre a tão esperada 2ª Feira do Livro Anarquista!

O evento, como no ano passado, será marcado por bate papos, oficinas, livros, zines, filmes, intervenções, contatos e amizades, enfim, vivências em geral que tanto contribuem para a nossa aproximação enquanto anarquistas.

A Feira acontece paralelamente à feira institucional do livro aqui da cidade. A idéia é aproveitar a atmosfera literária com o intuito de divulgar e aproximar mais pessoas das idéias anarquistas, apresentando o anarquismo como uma alternativa real ao capitalismo, suas crises e suas guerras.

Este ano também estará acontecendo, nas noites do evento, o Dissidência MuzikFesto, um festival com bandas de várias partes do brasil, e também bandas locais.

Convidamos todxs a virem à Feira; participando, fomentando afinidades, celebrando a resistência e a história de luta anarquista global!

Comissão de Organização da 2ª Feira do Livro Anarquista

Para mais infos, cheque flapoa.deriva.com.br
ou entre em contato através do endereço 2flapoa[a]libertar.se

Locais:
Livros e atividades ao ar livre: Travessa Venezianos das 14h até as 20h
Oficinas: Moinho Negro (Rua Marcilio Dias 1463 (veja no site oficinas e horários)

==>Castellano

2ª Feria del Libro Anarquista de Porto Alegre – Brasil

En los días 11, 12, 13 y 14 de noviembre, en Porto Alegre, la tan esperada 2ª Feria del Libro Anarquista!

El evento, al igual que el año pasado, estará marcada por charlas, talleres, libros, revistas, películas, palestras, contactos y amistades, por último, las experiencias, en general, que tanto contribuyen a nuestra aproximación como anarquistas.

La Feria se realiza paralelamente a la feria del libro institucional en la ciudad de Porto Alegre. La idea es disfrutar del ambiente literario con el fin de promover y traer más gente a las ideas anarquistas, con el anarquismo como una alternativa real al capitalismo, sus crisis y guerras.

Este año también estará en marcha, en la noche del evento, el “Dissidência MuzikFesto”, un festival con bandas de diferentes partes de Brasil, y también bandas locales.

Invitamos a todxs a venir a la Feria; participando, fomentando las afinidades, celebrando la resistencia y ​​la historia de la lucha anarquista global!

Comission Organizadora de la 2ª Feria del Libro Anarquista

Para más informaciones, consulte: flapoa.deriva.com.br
o contacte en la dirección 2flapoa [a] libertar.se

ubicaciones:
Libros y actividades al aire libre: Travessa dos Venezianos 14h hasta las 20h
Talleres: “Moinho Negro” (Marcilio Dias Calle 1463 (véase el sitio web de talleres y horarios)

==>English

2nd Porto Alegre Anarchist Book Fair

From 11th to 14th of November will be happening the much expected 2nd Porto Alegre Anarchist Book Fair!

As in the last year, debates, workshops, books, zines, films, interventions, contacting and friendship, and all that contributes to narrow our bonds as anarchists will be taking place.

The event happens at the same time as the city’s institutional Book Fair. The point is to take the literature atmosphere as an opportunity to share and bring people closer to the anrchist ideas, presenting anarchism as an actual alternative to capitalism and it’s crises and wars.

This year we also count with the Dissidência Muzikfesto, a festival with a variety of local and other Brazilian bands.

We invite everybody to come and take part of it, fomenting affinities, celebrating the resistance and the global anarchist struggle’s history!

Anarchist Book Fair Collective

Check for more info flapoa.deriva.com.br
or write to 2flapoa[a]libertar.se

Venues:
Books and openair activities: Travessa Venezianos from 2pm to 8pm.
Workshops: Moinho Negro, Marcilio Dias St. 1463

Alojamento

Durante a 2a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre vão estar disponíveis locais para alojamento.

Pede-se uma contribuição de R$10,00 para todos os dias da feira para manutenção do espaço.

Mande um e-mail para flapoa[arroba]libertar.se, com o assunto ALOJAMENTO.

Iniciando a 2a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

Estamos iniciando os trabalhos para a 2a Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre.

Você pode participar do processo e também enviar suas propostas de oficinas para a Feira.

A plataforma de diálogo que adotamos é a ferramenta we. Basta criar um login e participar da comunidade: https://we.riseup.net/2feiradolivropoa

O we é uma rede social para ativistas que se preocupam com o anonimato e o uso das suas informações na web.

1ª Feira do Livro Anarquista de Porto Alegre

A I Feira do Livro Anarquista foi um sucesso, e queremos agradecer a todxs que participaram e ajudaram a fazer com que a proposta desse evento e do espaço dessem muito certo.

A quantidade de pessoas que estiveram presentes, e principalmente seu entusiasmo e empenho, reforçou a ideia de que é necessário fazer mais atividades que juntem os anarquistas espalhados pela cidade, pelo estado, pelo país, enfim, pelo espaço, por aí.

Na I Feira do Livro Anarquista teve espaço para trocas ideia sobre e a possibilidade de adquirir livros, que é a proposta central de uma feira do livro. Mas também rolaram as oficinas e bate papos, nas quais muita gente participou, contribuiu, trouxe suas reflexões e práticas. Todos esses momentos, e também as conversas por aí,  serviram para trocar conhecimentos e construir novas redes.

Rolou comida vegana ao longo de todo o encontro, e todxs ficaram bem alimentadxs! Foi muito bom que pedimos contribuição espontânea para todas as refeições, e ficamos muito satisfeitos de comprovar que conseguimos cobrir os gastos da comida e levantar um pouco de dinheiro para fazer melhoras no espaço e poder organizar outros encontros e eventos.

Convidamos a todxs que queiram a se aproximar dos coletivos que ajudaram a construir a feira, através do Espaço Moinho Negro. Quanto mais gente somar conosco, poderemos construir uma II Feira do Livro Anarquista ainda maior, com mais editoras e atividades.

Pedimos que quem tiver mais fotos compartilhe conosco, coloque o link nos comentários, que publicamos como post. Também pedimos que quem participou da Feira poste aqui seu comentário, suas impressões, elogios, críticas, sugestões.

Na seção Fotos deste site, podem ver imagens de diferentes lentes que fomos juntando aqui. Se você compartilhar as suas, elas virão parar aqui também, para que outras pessoas possam saber o que aconteceu em Porto Alegre. Também tem fotos no Flickr do pessoal do coletivo Ação Antissexista, onde também aparecem outras atividades nas quais esse coletivo participa. O blog Simplicíssimo também teve publicação sobre a Feira.

Cartazes da 1º Feira do Livro Anarquista

Programação

Sexta (5 de novembro)

Abertura da Feira do Livro Anarquista
A partir das 19:00

  • Espetáculo  “O Homem Banda”, com Mauro Bruzza, da Cia. UmPédeDois
  • Lançamento dos livros Dias de Guerra, Noites de Amor – Crimethinc e Zonas Autônomas – (vol. 2) – Hakim Bey, pela Editora Deriva
  • Show da banda Boraimbolá

Sábado (6 de novembro)

  • Oficina: Costura de Livros sem frescura

Das 11h às 12:30
Proponente: Editora Deriva

Almoço Vegano
A partir das 13h

  • Bate-papo: Anarquismo e Geografia

Das 14:30 às 16:00
Convidado: Dilermano Cattaneo

  • Bate-papo: Política e anarquismo

Horário: 16:30 – 18:00
Convidado: Bruno Lima Rocha

  • Filme e bate-papo: Ácratas

Às 19h
O documentário reconstói narrativamente a experiência dos “anarquistas expropiadores” no Rio da Prata dos anos 30. Documentário independente realizado com fotografias, filmes de época, materiais de arquivo e testemunhos de sobrevivientes.

Conta também com intervenções do historiador anarquista Osvaldo Bayer, quem tem escrito sobre o fenómeno dos anarquistas expropiadores, Abel Paz, historiador da revolução espanhola e do intelectual ítalo-uruguaia Luze Fabbri.

Domingo (7 de novembro)

  • Oficina Stencil

Às 10:00
Proponente: Alisson

Almoço Vegano

A partir das 13h

  • Bate-papo: Anarcologia e Protopia

Das 14:30 às 16h
Convidado: Alt
Um papo sobre saberes anarquizantes (Anarcologia). Sobre ações históricas em favor da autonomia e experiências comunalistas: das barricadas de Comuna de Paris aos Caracóis da Selva Lacandona. Embates territoriais em contextos de ampliação do aparato de repressão e controle no contexto urbano. Possibilidades protópicas, a estratégia das zonas autônomas, formas de libertação da imaginatividade.

  • Bate-papo História pelos Anarquistas

Das 16:30 às 18:00
Convidado: Anderson Romário Pereira Corrêa
O saber histórico serve para compreender e explicar o processo pelo qual as sociedades e os indivíduos passaram para chegar a ser o que são hoje. Conhecer este processo é um dos pressupostos para poder agir sobre ele. O saber histórico serve também como discurso para justificar ações e posturas presentes. O texto “A história na visão de anarquistas” pretende conhecer como alguns anarquistas “clássicos” pensavam a História. A modesta intenção do texto é provocar a discussão entre aqueles que se identificam com o anarquismo e que procuram referências teóricos e metodológicos para seus estudos em História.

  • Bate-papo: Feminismo e Anarquismo

Horário: 18:30 – 20:00
Convidado: Ação Antisexista
Propomos um diálogo sobre as conexões entre anarquismo e feminismo.
Existe anarquismo sem feminismo? Qual a importância dos principios libertários para o feminismo contemporâneo?
Estaremos também lançando os zines Nem Escravas Nem Musas #2 e Reajindo – Defesa pessoal para mulheres de todas as idades.